Pular para o conteúdo principal

Infância


De repente, cessa-se o desejo de crescer. O cansaço do envelhecimento é inevitável: hora ou outra, todos iremos passar por isso. Eu, embora sedento de futuro, também sinto a ausência do tempo passado.
Infância: aquele era o tempo das tardes passadas brincando na areia, correndo nas ruas, transformando qualquer pedaço de madeira no maior brinquedo do mundo. E recusava os brinquedos comprados: ganhava-os apenas para abandoná-los num canto. Gostava mesmo dos piões e estilingues de meu avô, das carícias de minha avó, dos abraços de minha tia, travessuras com minhas irmãs, e beijos de minha mãe. Gostava do eterno!
Ser criança é a melhor coisa do mundo! É ser feto fora do ventre, feliz à toa e sempre sedento de novidade. E eu via o mundo com olhos humildes, sempre belo, eternamente novo! Não havia nada como as dores de agora, nada de irritações, de tardes de tédio, nada de buscar o para sempre oculto segredo da felicidade – era feliz e bastava.
Ah! Quem me dera ser eterno! Mas o ciclo da vida é este: nascemos, crescemos e depois a sepultura. Mas, entre nascer e morrer, há um tempo indefinido, com o qual podemos fazer o que quisermos. Sim, não basta nascer para estar vivo - é preciso experimentar a felicidade na simplicidade. Por isso, à criança: dá-lhe amor, antes de tudo, e ela será feliz. O adulto não, esse vive de acumular o inútil e a fartar-se do tempo: acorda, trabalha e dorme, depositando a esperança dos reencontros em um amanhã que talvez nem venha, para só depois entender que a vida se faz no agora e que só o amor traz a felicidade – ainda assim, sem excessos.

Recordo-me que, quando criança, os perdões vinham sempre à galope, hoje demoram mais; era amante das aproximações, hoje vivo de lonjuras; gozava da liberdade, agora me faço refém das rotinas. Mas não matei a criança que já fui: ela ainda vive em mim e, vez ou outra, pega-me pelas orelhas e me faz contemplar o céu. É decidida: faz-me dar o perdão que quero negar, adorar o conforto dos abraços... faz-me viver! E, nesses momentos, sou eterno aprendiz do tempo, eterno menino-adulto, para sempre nos braços da vida e apostando corrida com a sorte! Daí nasce a máxima: feliz aquele que se permite amadurecer de mãos dadas à criança que já foi – esse não envelhece.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Caminhada da Fé

Ah, almas tantas! Resolveram, todas, caminhar rumo ao céu – e essa caminhada não permite apego àquilo que julgam ser seu, é preciso se desvencilhar de tudo e apegar-se ao motivo primeiro que fez com que estivessem ali: a fé. Ah, almas tantas! Cantam, intercedem, prosseguem! E que há de ser feito, senão prosseguir? A vida não nos permite paradas – nem frente às dores, aos medos, às desesperanças e ao cansaço: os olhos se lançam ao infinito, redescobrem horizontes, enxergam motivos para continuar. Ah, almas tantas! Estão no chão, mas é para o alto que saltam, é o alto que buscam – e o alto é bem aqui, dentro de mim, no mais profundo e não na facilidade da superfície, no âmago. Por que seguem juntas? Porque uma é sustento para a outra e, também, se a uma faltar a energia, a força das demais é suficiente para mantê-la de pé. Há almas nas janelas que assistem as outras passarem – e, por assistirem, passam com elas. Com elas, velas e rosas para abençoar a passagem dos demais: são almas …

Cansado, outra vez

Estou farto da Literatura: ou se fala de amor ou se fala de ódio – em alguns casos, de nenhum deles, mas o resultado é igualmente fatigante. Não tenho mais energias para isso, não tenho mais energia para nada: estou cansado de tudo isto, de tudo isso e de tudo aquilo. Tudo define bem o que me desagrada, restando apenas o nada a meu favor. Meu tudo, talvez, seja nada; meu nada, talvez, seja tudo. Quem sabe? Eu não. Minha fadiga também já é assunto repetitivo, sem valor. Talvez seja um plágio de mim mesmo, tanto que recorro às mesmas falas, já gastas, já sem seu sentido primeiro. Nem a novidade, que eu tanto preguei e defendi, vem a meu socorro – estou sozinho, e é de praxe estar. Vê? Tudo de novo já nasce tão velho que me desgasta. Já se sabe, desde a origem, o futuro de todo o mundo. Sim, sabe-se. Sei que vai crescer, se machucar, estudar, machucar-se outra vez, chorar, sorrir, estudar, trabalhar ou não trabalhar, perder o emprego ou nunca “encontrá-lo”, mais sofrimento, mais felic…

Àquela mulher

Há uma mulher vestida de chita. O que ela quer? Por que tão aflita? Há uma mulher de cabeleira presa. Dá para saber o porquê da tristeza?
Ah, mulher dissemelhante! Onde se encaixa neste mundo tão errante? Ah, mulher desinquieta! Por que, em linhas tortas, sua vida é tão correta?
Essa mulher pariu o mundo Essa mulher é mãe do céu Ela vela pelo infecundo Derrama em tudo seu mel.
Quem é ela, tão pequena? Essa miúda, quem é? É aquela que não condena, Que dá motivos à fé.
Há uma mulher vestida de vida É dona do mundo, imunda não é.

O dizeres (calado)

Segue dando forma a teus silêncios, menino! Segue! Impressiona-te: eles dizem muito de ti. Leva consigo todas as tuas marcas, tuas formas... Encontra sustento em teus olhares – que ainda não vi. No não dito, há muito dizendo Como no dito, há muito que permanece calado. Impressiona-te: há coisas que são melhores ditas em silêncio. O teu silêncio, às vezes, é o que melhor te descreve – escreve.